A ação da toxina botulinica é localizada, isto é, limita-se ao músculo onde foi injetada, tendo início 48 horas após a aplicação e atingindo seu resultado final em torno de 15 dias.

O mecanismo de ação que leva ao relaxamento do músculo é a inibição da acetilcolina, substância que atua na placa neuro-muscular promovendo a contração do músculo. Quando não há contração do músculo que fica logo abaixo da pele não há formação de rugas, e o rosto adquire uma aparência mais jovem e suave. Vale lembrar que as rugas finas causadas por alterações na textura da pele devido à exposição solar e ao envelhecimento natural não podem ser atenuadas pela toxina botulínica. Nestes casos, recomendamos a realização de um peeling. No tratamento para hiperidrose a toxina botulínica age bloqueando o impulso nervoso que estimula a liberação do suor pelas glândulas sudoríparas, causando suor excessivo, em áreas como a palma das mãos e axilas.

A inibição muscular é transitória, havendo restauração do tônus muscular após um período médio de 4 a 6 meses, dependendo da resposta individual de cada paciente. Não há alteração na sensibilidade cutânea bem como seqüelas definitivas. Nas aplicações subsequentes, o período de inibição muscular tende a ser mais duradouro e o efeito tende a se manter por mais tempo. O espaçamento entre as infiltrações deve ser de no mínimo 2 a 3 meses, no intuito de se reduzir o risco de formação de anticorpos neutralizantes, os quais diminuem acentuadamente os efeitos terapêuticos. Mesmo com estes cuidados, pelo uso continuado, 5% dos pacientes podem não mais responder à aplicações subseqüentes da toxina.

A aplicação é feita no consultório, podendo-se voltar ao trabalho em seguida. Porém, nas primeiras 4 horas recomenda-se não se deitar em posição horizontal, evitar massagear a área de aplicação e não executar exercícios físicos. Se houver necessidade de alguma complementação, esta deverá ser realizada geralmente 15 dias após a primeira aplicação.

A aplicação da Toxina Botulínica está contra-indicada nas seguintes situações: mulheres grávidas ou amamentando, doença neuromuscular com miastenia grave, hipersensibilidade conhecida à toxina botulínica ou à albumina humana, pacientes em uso de antibióticos do tipo aminoglicosídeo ou de medicamentos que interfiram na transmissão neuromuscular e infecção ou inflamação no local a ser tratado.

A aplicação da Toxina Botulínca é um procedimento médico, exigindo capacitação profissional adequada. Não se trata de um procedimento isento de riscos, devendo ser realizado com prudência e responsabilidade. Em mãos devidamente habilitadas, geralmente as complicações são raras e transitórias, portanto a devida experiência da equipe médica é fundamental para uma boa condução clínica dos casos.